Países visitantes

Países visitantes: Brasil, Estados Unidos da América, Portugal, Alemanha, Rússia, Canadá, Reino Unido, Argentina, Espanha, Angola, Polônia, China, França, Israel, Venezuela, Ucrânia, Paraguai, Bolívia, Indonésia, Malásia, Grécia, República Tcheca, Iraque, Jordânia, Hong Kong, Itália, Austrália e India.

domingo, 31 de março de 2013

O Fraco e o Forte.


O emotivo é fraco. Indefinido nas decisões, indefinido na fé. É escravo da opinião alheia.
Isso o tem feito infeliz, mesmo crendo em Deus.
“Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” 2 Coríntios 4.18

O nascido do Espírito é espírito. Vivencia a fé racional, dispensa visões, sentimentos e emoções.
Crê para ver e jamais precisa ver para crer.
Isto é loucura? Certamente, para o mundo secular.
Não para o mundo da fé, o Reino do Espírito de Deus.

Só o nascido de novo pode ver o Reino do Espírito de Deus. João 3.3
Só o nascido da água e do Espírito entra no Reino do Espírito de Deus. João 3.5
Só os nascidos de Deus estão aptos para vencer a guerra da salvação, porque usam a fé sobrenatural.

Já o nascido da emoção, nascido da carne ou o homem natural, não tem o Espírito Santo para discernir o mundo da fé sobrenatural.
Por conta disso, não tem coragem para assumir compromisso sério com Deus, negar sua própria vontade, tomar a cruz e segui-Lo.
Antes, é, literalmente, covarde. Ao menor som dos tambores de guerra, foge.
Não tem coragem para dizer não ao pecado e enfrentar as injustiças diabólicas.
Sua fé emotiva o torna tímido diante dos parentes, amigos e conhecidos.

O mesmo não acontece com os nascidos de Deus. Sua fé é sólida, alicerçada, fundamentada na Palavra Divina. Não estão nem aí para a opinião alheia…
E se todos os abandonarem por causa de sua fé, aí é que eles se tornam mais fortes.
Da fraqueza, tiram forças e tomam posse das promessas.

“Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” I Coríntios 2.14

domingo, 24 de março de 2013

A Páscoa.



A Páscoa representa mais do que religiosidade; representa contrição, arrependimento e gratidão pela obra redentora de Cristo, assim como identifica comunhão íntima com Deus.
 No século da informação, contraditoriamente, a maioria das pessoas quase nada sabe sobre a origem da festa e tampouco o seu significado. Por isso, é importante lembrar que a Páscoa, originalmente, foi instituída como festividade símbolo da libertação do povo de Israel do Egito, no evento conhecido como Êxodo.
 Antes do ato de libertação, porém, o Senhor ordenou ao seu povo que cada família tomasse um cordeiro de um ano e sem defeito, o sacrificasse e comesse assado, acompanhado de ervas amargosas e pão sem fermento. A obediência traria a proteção divina e favoreceria a sua saída do Egito.
 A décima praga (a morte de todos os primogênitos) estava para acontecer. Por isso, eles tinham de passar o sangue do cordeiro nos umbrais e nas vergas das portas, pois quando o anjo da morte percorresse a terra, passaria por cima das casas que tivessem o sinal do sangue e pouparia os seus primogênitos.
 É desse evento que advém o termo Páscoa, do hebraico pesah, que significa “passar por cima”, “pular além da marca”, ou “poupar”. E assim, os primogênitos de Israel foram poupados. Depois que o povo de Israel saiu do Egito, Deus ordenou que a Páscoa fosse celebrada continuamente como um memorial dessa libertação.
 Os teólogos cristãos são unânimes quanto ao entendimento de que a Páscoa contém um simbolismo profético (como “sombra das coisas futuras”) que apontava para um evento futuro, a Redenção efetuada por Cristo, como está escrito: “Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós” (1 Co 5.7).
 Desse modo, o cordeiro morto (com o seu sangue aspergido nas portas) era símbolo do sacrifício de Cristo na cruz pelos nossos pecados. O cordeiro “sem defeito” prefigurava a impecabilidade de Cristo, que era “o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29).
 As ervas amargosas prefiguravam a necessidade de contrição e arrependimento. Como o fermento espiritualmente simboliza a corrupção do pecado, o pão sem fermento indicava a pureza que é requerida de quem serve a Deus. O comer a carne do cordeiro representava a identificação com a Sua morte.
 O sacrifício do cordeiro servia de substituto dos primogênitos e prenunciava a morte de Cristo em substituição à nossa. O cumprimento de todo esse ritual identificava a obediência que vem da fé e que resulta na salvação.
 A Páscoa teve o seu cumprimento em Cristo. Ele é a nossa Páscoa. Foi durante a Páscoa que o próprio Jesus instituiu a Santa Ceia como lembrança de Sua morte. Celebrada com pão e vinho, que simbolizam o Seu corpo ferido e o Seu sangue derramado na cruz para salvar os pecadores, serviria de lembrança permanente do Seu sacrifício vicário (1 Tm 1.15).
 Em suma, a Páscoa simboliza, para judeus e cristãos, três coisas: liberdade da escravidão, salvação da morte e caminhada para a terra prometida. Para os judeus, tinha um sentido físico, pois havia uma escravidão a ser subvertida, uma morte iminente a ser suplantada e uma terra a ser conquistada.
 Depois da morte e ressurreição de Jesus ficou o sentido de natureza espiritual, indicando a necessidade de libertação da escravidão do pecado, a salvação da morte eterna, assim como a caminhada na certeza de que o céu onde Cristo habita é o nosso destino final.
 Alguns religiosos sinceros celebram a Páscoa com um misto de tristeza e compaixão pela morte de Cristo, como se Ele ainda estivesse no túmulo. Mas a Páscoa deve ser comemorada com alegria, pois aponta para a libertação que a ressurreição de Jesus nos propiciou. Cristo está vivo e ainda ressoam as Suas palavras: “Eu sou o primeiro e o último e aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos” (Ap 1.18).

sexta-feira, 1 de março de 2013

Não temas, crê somente.




Texto-chave: Marcos 5.36 - Introdução: A sociedade moderna vive atormentada pelo medo. Pessoas que moram em grandes cidades, vivem constantemente com medo de tudo e de todos. As pessoas, em geral, têm muitos medos: doenças, crises financeiras, guerras, decepções, insegurança, o desconhecido, a nós mesmos, a morte, e por ai vai.  A Bíblia nos ensina que, ao invés de temer – ser dominado pelo medo – devemos crer, sabendo que Deus é a nossa força e o nosso ajudador. O que devemos entender por crer?
1.    Crer significa entrega 
a.    Entrega espontânea e voluntária - Deus não nos força a nos entregarmos a Ele;
b.    Mas nos convida com um apelo amoroso – Mateus 11.28
c.    A entrega precisa ser incondicional e total – enquanto não fizermos a entrega real, Deus não poderá agir em nossa vida.
d.    A entrega precisa ser permanente e definitiva – Não podemos entregar hoje e exigir de volta amanhã
e.    O que foi entregue a Deus não nos pertence mais.
f.      Entregar algo a Deus é descobrir diante Dele aquele problema – enquanto não descobrimos o problema à Deus, ele não agirá – exemplo a carta de Senaqueribe ao rei Ezequias – (Isaias 37-14-20)

2.    Crer significa confiar totalmente –
a.    Grande parte dos cristãos não confiam em Deus
b.    Na Bíblia há grandes heróis que confiaram em Deus: Abrão creu e isso lhe foi imputado como justiça
c.    Moises confiou em Deus para a realização da obra
d.    Davi, na derrota dos filisteus, confiou na promessa de que as amoreiras balançariam como sinal da ação favorável de Deus – 2 Samuel 5.23-25;
e.    Porque você não pede um sinal a Deus, ao invés de ficar reclamando da vida?
f.      A mulher do fluxo de sangue, confiou e agiu com fé – Marcos 5.28
g.    Confiarei e não temerei – Isaias 12.2  // toda a confiança em Deus tem direito a galardão – Hebreus 10.35

3.    Crer significa descansar –
a.    Há muitas pessoas cansadas desta vida;
b.    O salmista nos convida a descansarmos no Senhor – Salmo 37.7
c.    Até um poeta pode sentir esta realidade quando cantou: “Oh que descanso encontrei em Jesus!”
d.    Cristo nos prometeu descanso para as nossas almas – Mateus 11.29

Conclusão: A Palavra de Deus nos convida a não temermos, mas a crer somente. No Salmo 34.8, o Senhor nos convida: Oh! Provai e vede que o SENHOR é bom; bem-aventurado o homem que nele se refugia. Ao invés de temer, confiemos no Senhor e ele nos ajudará.

SEGUIDORES

Acompanhar por E-mail

OUTROS ARTIGOS

Ocorreu um erro neste gadget