Países visitantes

Países visitantes: Brasil, Estados Unidos da América, Portugal, Alemanha, Rússia, Canadá, Reino Unido, Argentina, Espanha, Angola, Polônia, China, França, Israel, Venezuela, Ucrânia, Paraguai, Bolívia, Indonésia, Malásia, Grécia, República Tcheca, Iraque, Jordânia, Hong Kong, Itália, Austrália e India.

sábado, 25 de agosto de 2012

Nunca foi fácil vencer as crises, mas nunca faltou ajuda do Alto para superá-las



É comum ouvirmos nas rádios, nos telejornais, no bate-papo entre amigos, nas redes sociais, com os colegas de trabalho e tantos outros lugares e momentos sobre este assunto: crise. Ela surge nas mais diversas áreas: finanças, ética e moralidade, família, princípios e valores e por aí vai. Esta lista ainda poderia crescer bastante.

Diante de tudo isso, surge a pergunta: quem nunca passou por crise? Como você se portou diante dela? Tomou alguma atitude, ou simplesmente anunciou: “Mais crise!”?

Em 1 Samuel 30.1-20, vemos que Davi estava passando por um momento de crise em sua vida. Depois de três dias de caminhada no retorno para casa, em Ziclague, ele mal entra na cidade e vê tudo destruído e vazio, pois sua família e bens tinham sido levados pelos amalequitas.

O desespero tomou conta dele e de seus homens a tal ponto que alguns queriam apedrejá-lo. Quanta aflição! Mas vale a pena observar como ele se portou diante da crise.

Primeiro, Davi conversou com Deus sobre a situação e obteve uma reposta: “Davi perguntou ao Senhor: ‘Devo persegui-los? Eu os apanharei?’ E o Senhor disse a ele: ‘Sim, vá atrás deles; você vai recuperar tudo o que eles tomaram de vocês!’” (1 Sm 30.8).

Em segundo lugar, ele partiu para alcançar seu objetivo. Não ficou parado, só lamentando: “Então Davi e seus seiscentos homens foram atrás dos amalequitas. Quando chegaram ao córrego de Besor, duzentos dos homens estavam tão cansados que não agüentaram atravessar o córrego, mas os outros quatrocentos atravessaram, e continuaram a marcha” (v. 9).

Em terceiro lugar, Davi aproveitou a ajuda que Deus mandou (v. 11, 15,16) e, por fim, conquistou de volta tudo o que era seu (v.18,19).

E nós? Como reagimos diante de crises? Ficamos lamentando e chorando? Procuramos um culpado, acusando-o com palavras, gestos e atitudes que não levam a solução nenhuma? O exemplo de Davi vale também para nós.

Em vez de seguir o costume comum de contar tudo para os outros, menos para Deus, podemos nos dirigir diretamente ao Senhor. Ele tem respostas para os nossos problemas e nos faz caminhar na direção da solução.

Aja! Saia do lugar! Conte com a providência divina e, no momento certo, a crise vai se resolver. É como diz a canção de Sérgio Lopes: “tua dor vai passar, com o tempo vai passar”.

O justo passa por muitas adversidades, mas o Senhor o livra de todas” (Sl 34.19)


sexta-feira, 17 de agosto de 2012

O que é ser cristão?




Devido a liberdade religiosa que há no Brasil, é comum encontrar pessoas religiosas envolvidas dentro de uma rotina capaz de fazer com que elas sintam razão para viver e se considerarem cristãs. Elas vivem um ciclo de hábitos muito forte. São tão fortes esses hábitos que elas não pensam em refletir se o sentimento que possuem é correto ou não. Seus costumes estão arraigados em seu ser e por causa disso entram em debates para defendê-los dizendo que eles são a prática do cristianismo.

Então, pergunto: o que é ser cristão?

Para alguns, ser cristão é apenas ter uma carteira de membro de uma denominação evangélica. Não considero errado possuir uma e ser frequentador de um templo, mas isso não significa ser cristão, embora muitos possuidores da carteirinha e do hábito de frequentar templos sejam autênticos cristãos.

Para outros, ser cristão é seguir as doutrinas de teólogos como João Calvino e Jacó Armínio. Mas estes dois homens nada mais fez do que interpretar as Escrituras Sagradas no tema soteriologia, a doutrina da salvação. As suas interpretações não têm a capacidade de fazer com que almas sejam salvas. Portanto, ser cristão não é o mesmo que adotar os conceitos deles. 

Alguns acreditam que ser cristão é ser católico, ou crente evangélico, ou crente evangélico pentecostal, ou crente evangélico tradicional... Nada disso conota e denota a essência do significado de ser um cristão. Tais detalhes apontam para a religiosidade de cada um.

Ser cristão é uma característica interna, algo forte e profundo que está lá dentro do coração. É a firme convicção da necessidade de seguir as ideias de Jesus Cristo, crer nos ensinamentos dEle. Ele mandou você amar a Deus, amar a si mesmo da mesma maneira que amar quem está em sua volta, mandou amar os inimigos. Quem obedece à ordem, em todas as circunstâncias, pode dizer que é um cristão de verdade.

Ninguém pode dizer que ama a Deus se aborrece ao próximo. Quem aborrece o próximo não está praticando o amor, então, está em desobediência a Deus. Portanto, a prova de amor a Deus é amar ao próximo. Veja: 1 João 4.20.

Se a pessoa não for praticante do amor que Jesus Cristo recomendou, não adianta ser frequentador de templos de domingo a domingo; ser calvinista; ser arminianista; ser crente católico ou ser crente evangélico pentecostal ou neopentecostal ou tradicional ou reformado, Quem não ama a Deus e ao próximo, é apenas mais um religioso, só um religioso que não podemos dizer que é cristão de verdade.

A religião não salva. A salvação está ligada à fé com obras. Quais obras? De obediência. Obedecer ao mandamento do amor. Ser cristão é ser disposto a obedecer ao mandamento do amor a Deus e ao próximo.

E.A.G.

Artigo relativo ao tema: Cristocentrismo no corpo, na alma e no espírito

SEGUIDORES

Acompanhar por E-mail

OUTROS ARTIGOS

Ocorreu um erro neste gadget