Países visitantes

Países visitantes: Brasil, Estados Unidos da América, Portugal, Alemanha, Rússia, Canadá, Reino Unido, Argentina, Espanha, Angola, Polônia, China, França, Israel, Venezuela, Ucrânia, Paraguai, Bolívia, Indonésia, Malásia, Grécia, República Tcheca, Iraque, Jordânia, Hong Kong, Itália, Austrália e India.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Mas são os que estão conosco.


Leitura Bíblica:  2 REIS 6.8-23)


Visão de Deus: é o que precisamos em dias como os de hoje. Dias em que sofremos tantas perseguições e tribulações; dias em que muitas pessoas olham para as igrejas e seus dirigentes com desconfiança (e existem razões para fazerem isso); dias em que a opção de muitos é pela desistência ou descrença em Deus. Sobretudo, é preciso visão de Deus para reconhecer que “mais são os que estão conosco do que os que estão com eles”.
Minha palavra nesta pastoral é para você que crê em Deus, mas se encontra na situação do jovem que acompanhava o profeta Eliseu, a temer a força e número dos inimigos à volta, prontos para arrebatá-lo. A única coisa que lhe restou foi o desespero, expresso em suas palavras: “Ai! Meu senhor (Eliseu)! Que faremos? Porque é exatamente isso que os inimigos de Deus querem fazer conosco: quer que os temamos! Porque assim, minarão todas as nossas forças, não permitindo que vejamos mais nada, senão a incapacidade de acreditar, de ter a visão de que “os que estão conosco são maiores do que os que estão com eles”.
Deus quer que você olhe ao redor e não veja somente a opressão que o cerca, que lhe faz temer, que lhe faz desistir dos “sonhos de Deus” para a sua vida. Deus quer que você olhe novamente e veja que Ele já providenciou tudo o que você precisa: a libertação e a vitória sobre as milícias do mal. No entanto, você pode estar perguntando: o que eu faço para não ver somente a opressão dos inimigos e temer, mas para ser capaz de ter a visão de Deus? A resposta está com o profeta Eliseu. Vamos seguir os seus passos:
Seja conhecido como um “homem (ou uma mulher) de Deus”: É um título bíblico que expressa a estreita associação de uma pessoa com Deus. Na Bíblia, somente Samuel, Elias e Eliseu (1Samuel 2.27; 9.6; 2 Reis 17.18; 4.9) foram dignos desse nome. É verdade que, mais tarde na história do povo de Israel, esse nome é substituído por “profeta de Deus”, que significa aquele que fala em nome de Deus, aquele que é mensageiro de Deus. Isso pressupõe, portanto, que o homem de Deus é aquele a quem Deus confia os seus mistérios. A partir de Jesus, os homens de Deus passaram a ser chamados de discípulos e discípulas a quem Deus dá a conhecer os seus mistérios (Marcos 4.11). Mas o grande segredo é que os homens de Deus não dão a si mesmos esse título, nem mesmo os discípulos escolheram serem assim chamados. Aceitaram a vocação de Deus e foram reconhecidos pelo povo. Com eles estavam os sinais de Deus. Eliseu fez um manancial de águas más se tornarem saudáveis, multiplicou o azeite da viúva, fez fértil o ventre de uma estéril, ressuscitou um morto, multiplicou pães, curou um leproso, fez flutuar um machado e cegar um exército inimigo (2 Reis 2.19-6.23). Aos seus discípulos, Jesus lhes disse que seriam acompanhados de sinais: “Em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, ficarão curados” (Marcos 1617-18).
O poder da oração: Alguém já disse que oração é ação. E é exatamente o que Eliseu faz imediatamente depois encorajar o rapaz. Primeiro, intercede por seu discípulo: “Senhor, peço-te que lhes abras os olhos para que veja”. Eliseu já havia sido discípulo de Elias e adquirido experiência com Deus; agora era a hora de passar adiante. Sua oração nos ensina que é preciso todo o povo de Deus ter a mesma visão, para que ocorra a mudança da realidade. A segunda oração é mais ampla: “Fere, peço-te, esta gente de cegueira”. A realidade é completamente transformada: os inimigos, agora, estão subjugados. Mas o interessante na continuação da narrativa é que o homem de Deus não responde à ação dos inimigos com a mesma “moeda”, mas os abençoa e despede em paz. Hoje sabemos, com o apóstolo Paulo, que “a nossa luta não contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais, nas regiões celestiais” (Gálatas 6.12). A oração é a porta para o mover de Deus. Quando oramos, Deus age.
Portanto, “não temas, porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles”.

Otávio Júlio Torres 

Nenhum comentário:

SEGUIDORES

Acompanhar por E-mail

OUTROS ARTIGOS

Ocorreu um erro neste gadget