Países visitantes

Países visitantes: Brasil, Estados Unidos da América, Portugal, Alemanha, Rússia, Canadá, Reino Unido, Argentina, Espanha, Angola, Polônia, China, França, Israel, Venezuela, Ucrânia, Paraguai, Bolívia, Indonésia, Malásia, Grécia, República Tcheca, Iraque, Jordânia, Hong Kong, Itália, Austrália e India.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

A verdadeira Adoração.

Habite ricamente em vocês a palavra de Cristo; ensinem e aconselhem-se uns aos outros com toda a sabedoria, e cantem salmos, hinos e cânticos espirituais com gratidão a Deus em seu coração. Colossenses 3:16.
Adorar é uma atitude do coração, direcionando nosso louvor a Deus. Isso pode ser feito na igreja ou em casa. Seu propósito é glorificar a Deus.
Descobriremos como vários acontecimentos surgem quando adoramos em espírito e em verdade:
  1. Nós deleitamo-nos em Deus;
  2. Deus deleita se em nós; e
  3. Nós aproximamo-nos de Deus.

As Escrituras nos mostram que Deus pode ministrar a nós como seus adoradores. Um tipo especial de edificação acontece nesses momentos.
O valor eterno da adoração guiará nossos pensamentos sempre que perguntar-nos: “O que é adoração genuína?”
o dia de Sábado, quando muito de nós estamos em nossas igrejas aprendemos sobre seus resultados gloriosos. O testemunho da adoração individual, em casa, ou coletiva, na igreja, tem um impacto maior no perdido do que muitos sermões.

O Que Significa Adorar A Deus?
Como já mencionamos, a adoração é uma atitude que brota do coração, que direciona nosso louvor. Pode ser feita na igreja ou em sua casa. O importante é queira glorificar a Deus. Adorar é entrar em sua presença, com nossas vozes, músicas e coração.
A razão principal para Deus chamar-nos para a sua igreja é que, assim, podemos reverenciá-lo como um corpo. Cada um de nós nasceu com um desejo de cultuar nosso Criador. Quando temos essa vontade e ainda não sabemos a quem adorar, às vezes idolatramos vários “objetos criados”, como o sol, a lua, o ouro, etc. Mas aqueles que reconhecem a Deus, e aquilo que fez por nós, voltam-se para ele, com um coração agradecido, respondendo à sua lei, dada ao ser humano.
Deus exigiu do Faraó: “Deixe meu povo ir”. Por quê? “...para prestar-me culto no deserto.” Êxodo 7:16. Depois que o Senhor livrou os judeus, eles estabeleceram festivais nos quais a nação inteira de Israel reunia-se diante dele, pelo menos três vezes ao ano, para celebrar e adorar.
Os israelitas são uma “nação escolhida”, especificamente formada para a adoração e designada para ser um modelo para todas as outras. Mas, em lugar de adorar a Deus, em santa assembléia, eles desviaram-se para servir a outros ídolos. Como julgamento, Deus dispersou-os e fez com que vivessem em escravidão novamente.
Deus também fica descontente quando não cumprimos com nossos compromissos sagrados. Em o Novo Testamento, somos advertidos a nos converter dos nossos pecados e a clamar pelo nome do Senhor. Quando adoramos na Igreja de Cristo, aproximamo-nos do trono de Deus, o Juiz de todos. Ao entrarmos na assembléia festiva dos santos e dos anjos, unimo-nos aos espíritos dos justos aperfeiçoados. Hebreus 12:18,19,23.
A adoração coletiva não é opcional. Ela expressa uma das razões de ser da igreja e reflete, na terra, sua realidade divina. Quando ponderamos sobre seu propósito, recordamos que Deus é merecedor de toda a nossa adoração, e não nós. Apocalipse 4:11; 22:8, 9.
Deus é digno de adoração e está à procura de adoradores, tudo em nosso culto deveria ser feito não para chamar a atenção ou trazer glórias para nós mesmos; pelo contrário, para direcionar nossa atenção a Deus, levando as pessoas a refletir a glória dele.
Freqüentemente, devemos reavaliar os vários elementos em nossos cultos. A pregação a oração pública, a ministração da adoração, as canções especiais, a Ceia do Senhor, até mesmo os anúncios e as ofertas. Todos esses componentes deveriam, na maneira como são conduzidos, trazer glória para Deus. Tudo foi feito para a honra, louvor e glória dele.

A Adoração Genuína
Quando adoramos a Deus em Espírito e em verdade, várias coisas acontecem:
  1. Nós Deleitamo-nos em Deus
    Nós deveríamos nos deleitar no fato de que, se Deus é por nós, quem será contra nós? Deleitamo-nos, pois, em Deus, não há fracasso algum e sabemos que ele tomará conta das circunstâncias do presente e do futuro. Temos uma alegria indizível; afinal, o que pode ser mais animador do que saber que a morte não é o fim? Salmos 27:4; 73:25; 84:1, 2, 4,10.

  2. Deus deleita-se em nós
    O que acontece quando adoramos a Deus? Ele alegra-se conosco, como um pai se alegra com aquele filho que sempre escuta suas instruções. Nosso Deus compraz-se em filhos obedientes e cobre-os com as mais ricas bênçãos. Isaias 62:3-5 e Sofonias 3:17.

  3. Nós aproximamo-nos de Deus
    Na antiga aliança, os fiéis somente podiam se aproximar de Deus de um modo limitado, por meio das cerimônias no templo. Não era permitido à maioria das pessoas entrarem no próprio santuário; tinham que permanecer no pátio. Até mesmo o sacerdote só podia ingressar no lugar santo. Ninguém podia penetrar no santo dos santos, exceto o sumo sacerdote, e apenas uma vez ao ano. Hebreus 9:1-7.

    Mas agora, sob a nova aliança, os cristãos têm o maravilhoso privilégio de entrar diretamente no Santo dos Santos, na presença do trono de Deus, quando adoram. Hebreus 10:22. A barreira entre o homem e Deus foi removida; nós podemos chegar bem perto dele!

    Sempre que ficamos na sua presença, em adoração, a única resposta apropriada é: “portanto, já que estamos recebendo um Reino inabalável, sejamos agradecidos e, assim, adoremos a Deus de modo aceitável, com reverência e temor, pois o nosso Deus é fogo consumidor” Hebreus 12:28-29. 

                                                                                                              Que Deus vos abençoe.
                                                                                                                                  Amém.

Nenhum comentário:

SEGUIDORES

Acompanhar por E-mail

OUTROS ARTIGOS

Ocorreu um erro neste gadget